segunda-feira, 19 de julho de 2010

Apresentação + CORRA, LOLA, CORRA

APRESENTAÇÃO

Luis Felipe de Assis Pinheiro. 21 anos. Residente em Araraquara. Estudante de Letras na UNESP. Professor de Inglês. Ex-Garçom. Sãopaulino. Metaleiro. Apesar de definições tão pontuais, sou na verdade um zilhão de coisas ao mesmo tempo. Uma ambigüidade ambulante. Um passageiro involuntário numa montanha-russa de sensações. E se duvidar eu tenho mais de um mar de provas. Sou um eterno CURIOSO. Quero saber TUDO.
Entre os interesses, se encontra a Arte. Meu papel é mostrar um possível caminho, facilitar o esclarecimento. Apontar detalhes, explicitar minúcias, criar conexões, mostrar coincidências, inspirar. Do mesmo jeito que outras pessoas já me inspiraram. Ao ler, ao ouvir música, ao assistir filmes, de qualquer tipo, sinto conexões. Por sentir algo que acho importante para o caráter humano (e por possuir “alma de professor”, querer compartilhar tudo que sei), sinto-me no dever de dividir minhas experiências pessoais obtidas, a fim de atingir o universal (que é o que realmente interessará a vocês, leitores).

Pra começar, vou falar sobre um dos filmes mais interessantes que já vi. Talvez meu predileto.

CORRA, LOLA, CORRA (português)

Run, Lola, Run (inglês)


Lola Rennt (alemão)

FICHA / TRAILER



Adjetivos: intrigante, frenético, cíclico, de-tirar-o-fôlego.

Sinopse: Lola (Franka Potente) é filha de um rico pai bancário. Extravagante em seu modo de vestir e com um namorado, digamos, que se meteu em uma ‘pequena’ encrenca. Manni (Moritz Bleibtreu) é o coletor de uma quadrilha de foras-da-lei e estava tendo o seu dia de sorte: carregava uma grande quantidade de dinheiro do bando para testarem sua confiança. Só que, para o seu azar, perdeu o dinheiro no trem da cidade, entrando em desespero e tendo que, em 20 minutos, recuperar todo o valor perdido. Desesperado, liga para sua namorada, que começa uma incansável corrida contra o tempo para tentar arrumar todo o dinheiro e seu namorado não ter de acertar as contas com a gangue com sua própria vida.

PEÇO QUE ASSISTA O FILME ANTES DE LER O QUE VOU ESCREVER. DAQUI EM DIANTE AS IMPRESSÕES SÃO MINHAS E DE OUTRAS PESSOAS, TIRE SUAS CONCLUSÕES E DEPOIS COMPARE.

IMPRESSÕES

Prestar atenção:
- Cores vibrantes: cabelo de Lola; telefone da casa dela; telefone público em que Mani está.
- Imagens relacionadas a "espirais" e "relógios" -> tempo em discussão
- Tartaruga no chão do quarto
- Trilha sonora: música eletrônica criada pela atriz Franka Potente, imprime um ritmo mais rápido ao filme: http://www.filestube.com/ff8be5688a3d9bdc03e9,g/Run-Lola-Run-Soundtrack.html

Tema: JOGO / TEMPO / DESTINO

Logo no início do filme, duas citações são mostradas num fundo preto, são elas:

"Enquanto eu puder jogar o jogo, eu posso jogá-lo, e está tudo bem."- Wittgenstein "Depois do jogo é antes do jogo." - S. Herberger
Tais citações, juntamente à narrativa de várias pessoas do elenco num fundo branco falando sobre a vida, nos preparam para a discussão que será abordada no filme. Só fará sentido no final do filme mesmo. Atente para a ligação entre JOGO, VIDA, TEMPO, DESTINO. Obs: sobre a segunda citação, acho interessante notar que encontra-se nela uma dica de que o filme pode ser visto ao revés.

É possível dividir o filme em 3 partes. A primeira tendo a morte de Lola como desfecho trágico, negativo. A segunda com a morte de Mani, trágico e negativo novamente. A terceira, com o final feliz: objetivos alcançados, ambos vivos e com uma vida pela frente.

Entre as 3 partes, aparecem diálogos. De início achamos que o diálogo está cronologicamente situado após a cena anterior, mas não está. Na verdade a leitura de tais diálogos fica mais clara ao final do filme. O desfecho feliz é o que realmente aconteceu. Quando chegam em casa, deitam na cama e conversam sobre as possibilidades. A cogitação de possibilidades resulta em duas narrativas, as duas com desfecho negativo que vimos anteriormente.

Durante as cenas, cada vez que destinos se cruzam fortemente (seja quando Lola tromba em tal pessoa, ou muda sua rota) é possível ouvir o barulho de um flash fotográfico e em seguida várias fotos aparecem. As fotos representam o futuro de cada pessoa. Cada pequena mudança na rotina, no dia-a-dia, transforma consideravelmente o futuro dos personagens.

Encontrei um texto muito interessante na internet com algumas ideias diferentes, discutindo o filme sob um ponto de vista mais acadêmico. Vale a pena ler, principalmente a hora que ele fala de TESE, ANTÍTESE e CONCLUSÃO (sobre as 3 partes que citei). Tudo que aparece nesse estudo é perfeitamente aceitável.

Eis o link: http://wwwusers.rdc.puc-rio.br/imago/site/narrativa/producao/marcos-pedro.htm


Paro por aqui. Obrigado pela atenção. Até a próxima review: "DOGVILLE". Assistam antes!

Abraços,
Luis Felipe

3 comentários:

Dai disse...

[encabulada]

Vergonhosamente, não assisti este filme. Por que?
Nem sei, mais um dos filmes milhões de vezes recomendado.

Almodóvar será convidado ilustre aqui, acredito.

Vocês dois já partiram pelo menos dois pontos em comum: o cabelo vermelho e o destino.

Tenho que rever todos esses filmes, que bom ^^

beijo

Dai disse...

Ficou muito legal o layout, mesmo.

=]

naty . disse...

gostei muito desse filme...
apesar dele ter me confundido um pouco.
depois eu entendi tudo. huahuahuahu..
3 histórias, 3 possibilidades, 1 final.
meio efeito-borboleta.... cada mudança na rotina, afeta tudo... e etc...
vejo também no filme, uma "crítica"... como as pessoas vivem sua vida correndo, sempre correndo.
e o que eu mais gostei foi, claro, do cabelo da lola! (: